quinta-feira, 5 de abril de 2007

Carnaval a Dois - Akasha De Lioncourt



Carnaval a Dois...


Vou narrar uma história não muito convencional, mas, aconteceu comigo e com meu noivo. Antes de qualquer coisa, preciso dizer que nós somos um casal que se ajusta perfeitamente em todos os sentidos, e, apesar de algumas briguinhas por ciúme, de ambos, não há nada melhor do que quando estamos juntos, é como se fosse possível termos o sol e a lua no céu... o mais perfeito e maravilhoso eclipse.

Meu noivo mora em um ponto do estado e eu em outro, são quatrocentos quilômetros de distância, mas decidimos que, nesse carnaval, não iríamos querer muito agito, pois precisávamos ter um tempo só para nós dois, então resolvemos que o melhor seria irmos para um recanto sossegado, e, apesar de não conhecermos o lugar, decidimos por uma cidade mineira conhecida por ser ponto turístico e possuir água com propriedades salutares: São Lourenço. Saímos daqui, da minha cidade, aonde ele veio me encontrar para prosseguirmos a viagem. Apesar da distância, quase não sentia a lentidão das horas se arrastando, pois meu amor estava vindo ao meu encontro, e só faltava o meu corpo unir-se ao dele, pois, a alma já se adiantara há muito e estava ao seu lado.

Cheguei à rodoviária por volta das oito da manhã para espera-lo, sonolenta, pois havia dormido pouco, afinal,eu estava ansiosa, e mal abriu-se a porta do ônibus, eu o vi, já pronto para descer. Em uma das mãos, uma caixa de bombons trufados, nossos prediletos, e o restante das bolsas de viagem no bagageiro do ônibus. Meu bebezinho estava ansioso para descer, e senti seu sorriso iluminar-me a alma, como era bom estar perto dele novamente!!! Deu-me um beijo suave, e um abraço quente que me arrepiou o corpo todo, e caminhamos para pegar a bagagem e seguirmos para o carro. No estacionamento, colocou tudo no porta-malas e finalmente abriu a porta para que eu entrasse.

Ele então deu a volta e abriu a sua porta, entrou, e quando olhou-me novamente, vi o fogo que havia em seus olhos: puxou-me para si e me beijou com volúpia, quase me devorando naquele beijo tão gostoso! Ah, que delícia! Aqueles dias realmente prometiam ser maravilhosos, tamanha a saudade que nos separava. Perguntei a ele se queria tomar um banho e comer alguma coisa, e, diante da sua necessidade de refrescar-se, seguimos para meu apartamento, passando antes por uma padaria para que pudéssemos comprar pãezinhos frescos e algo para o nosso café da manhã. Chegamos ao meu condomínio, aonde eu estava morando há pouco tempo e ouvi-o dizer: "Eu imaginava totalmente diferente isso aqui". Subimos até o meu andar, mas, como isso é praxe quando nos deparamos com o desconhecido, ele então me levou pelo apartamento, que, ao contrário do que eu sempre lhe dizia, estava muito arrumado e bem bonitinho!

Não sei o porquê de tanta precaução com relação a isso. Chegamos ao meu quarto e, quando a porta abriu-se, mal consegui colocar a mala que tinha nas mãos no chão, pois o meu bebezinho adorado me apertou contra a parede, roçando seu corpo todo no meu, e novamente devorou-me num beijo maravilhoso, como se ali pudesse esgotar toda a saudade que os meses de separação nos haviam infligido com tamanho sofrimento. Senti a sua língua invadir minha boca, explorando cada milímetro dela, se enroscando com a minha, e me fazendo delirar de desejo... ah, delícia! Senti que aquele beijo me levava ao êxtase e que se não me contivesse iria explodir com aquela boca deliciosa que me deixa completamente maluca.

Senti que minha calcinha estava ficando toda molhadinha, e, se eu não ficasse calma, não iria conseguir conter toda a vontade de matar a minha saudade daquele beijo e de fazer amor com meu amor, o homem que consegue me levar ao frenesi completo com apenas um beijo. Fui me desvencilhando daquele ultimatum, e falei: amorzinho, vamos tomar um banho, quero estar toda cheirosa para você, com o corpo bem fresquinho, e então você poderá me devorar por inteiro. Ele sorriu e me deixou descansar as malas dele no quarto. Fui até as minhas malas, que também já estavam fechadas e prontas e, abrindo-as cuidadosamente, para não desfazê-las muito, tirei o que necessitava para a minha higiene, pois os cremes e demais apetrechos estavam na frasqueira, bem como todos os perfumes que ele adora.

Separei uma camiseta e um shortinho, lingerie nova, e fui para o banheiro, disposta a tomar um banho bem gostoso e ficar bem perfumada junto com o meu amor. Despi a minha roupa e comecei a abrir o chuveiro, pensando em porque ele demorava tanto para vir ao meu encontro. Delícia!! A água jorrou abundante, morna, aconchegante, e me aninhei sob o jato convidativo que me massageava o corpo. Acariciei meu corpo todo com um sabonete muito especial, lavei novamente meus cabelos e, após cerca de 15 minutos de um banho delicioso, vendo que meu amor não vinha mesmo ao meu encontro (será que desistira do banho?), acabei fechando o chuveiro e enxugando o corpo vigorosamente, vesti apenas a calcinha e o soutien, pois pretendia terminar de vestir-me no quarto.

Enrolei-me na toalha e saí do banheiro, caminhando para o quarto onde minhas roupas estavam estendidas e prontas para serem vestidas. Quando chego ao quarto, para minha agradável surpresa, encontro aquele delicioso homem, que usara do pretexto do banho para me distrair, deitado na cama, vestindo apenas uma sunga preta que não esconde nada sob o tecido, sorrindo convidativamente e esperando que eu aceite o convite. Então ele me diz: "Vem, amorzinho, eu quero você no café da manhã!" Sem titubear, começo a escalar o pequeno caminho da cama até encontrar sua boca, que, sedenta, começa a me beijar sem trégua, sugando meus lábios como se realmente fosse devorar-me. Suas mãos começam a explorar minha pele macia, cheirosa, e o meu perfume começa a surtir efeito nos seus sentidos, pois, inexplicavelmente, ele me deita na cama e começa a me lamber toda, desde o rosto até a minha barriga...Tira meu soutien e começa a me sugar os mamilos intumescidos, chupando, mordiscando, lambendo. Começo a delirar de tesão, sua boca me faz enlouquecer de tanto desejo.

Grito, tamanho o êxtase que experimento, quando começa a mamar gostoso em mim, e suas mãos percorrendo o meu corpo chegam ao meu clitóris, começando a massageá-lo bem gostoso. Ah!!! Meu corpo todo estremece como se um terremoto o sacudisse. Você vai descendo pela minha barriguinha, lambe meu umbigo, e continua nessa brincadeira, até atingir meu sexo umedecido. Começa a sugá-lo e mordiscá-lo suavemente, enquanto seus dedos começam a penetrar meu ninho quente e molhado, que há muito espera para abrigar você todinho dentro dele. Sua língua acariciando, massageando meu clitóris me leva à loucura, e não resistindo mais, gozo nos seus dedinhos que estão dentro de mim... chorando de tesão, peço que você acaricie meu botãozinho, pois quero que você me tenha por completo, todinha para você. Então, incontinenti, começo a sentir seus carinhos e percebo que está insinuando um dedinho para dentro de mim... Hum!!! Vou ao êxtase total, e então você começa a sugar meu melzinho quente e gostoso, que jorra abundantemente. Perco o controle dos meus atos e então começo a beijar você todo, empurrando-o para a cama.

Passo a beijar e sugar sua boquinha deliciosa, e começo a percorrer todo o seu corpo com a minha língua. Sugo teus mamilos, e ouço seus gemidos de excitação... Aumento a voracidade e então percebo que você está completamente possuído pelo mesmo desejo que eu... Passo a descer mais, e, afastando sua cueca, abocanho vorazmente seu membro latejante, que pulsa dentro da minha boca. Começo a te chupar com volúpia, e acaricio seu sexo com as mãos, até sentir o teu corpo convulso de tanto tesão. Engulo-te todinho e te chupo sem parar, até que, quando percebo que está a ponto de gozar, tiro a boca e passo a te lamber de leve, subindo e descendo, da glande até os testículos, colocando-as dentro da boca bem gostoso. Você chega a uivar de tesão, e me manda te engolir todo de novo, mas, não quero que você goze na minha boca, quero-o todo dentro de mim, então começo a penetrar seu membro durinho na minha grutinha quente, cavalgando gostoso no meu garanhão que está em brasas. Você enlouquece, e começo a rebolar no seu corpo, entrando e saindo, cavalgando, até que gozamos juntos, num frenesi total.

Deito-me sobre você para recuperar meu fôlego, sem tirá-lo de dentro de mim, e percebo que você continua com uma ereção enorme, então te peço para me possuir por trás, no que sou atendida prontamente. Você me coloca de quatro, e, lubrificando-se na minha grutinha encharcada do nosso gozo, começa a me penetrar no botãozinho, bem gostoso, me fazendo gritar de tanto tesão. A pele lisinha, sem pelos, facilita a penetração e você me invade toda, e começa um vai-e-vem frenético que me leva às nuvens, enquanto acaricia meu clitóris com o dedo. Não consigo mais conter e gozo novamente, junto com você, que, não satisfeito, tira o membro de dentro do meu botãozinho e me penetra mais uma vez, com ferocidade, me invadindo e me rasgando toda, até que cheguemos novamente ao gozo e, por fim, extasiados e completamente exauridos, deitamo-nos abraçadinhos e adormecemos, como se fôssemos apenas um corpo, pois a mente com certeza já é uma só.

E, depois desse frenesi todo, acho que nem preciso dizer que a nossa viagem só iria continuar bem depois, no final da tarde, após nos recuperarmos da manhã alucinante de amor que vivemos. Mas, a continuação dessa viagem é uma outra história....


Akasha De Lioncourt


(20/12/2002 - reeditado em 04/05/2006)

Nenhum comentário: